fbpx

O Agro é forte, mas é sólido?

O Agro é forte, mas é sólido?

Em 2014 essa pergunta me foi feita pelo consultor e amigo Fabio Seo (Seo Consultoria), e confesso que minha primeira reação foi de indignação com a pergunta. “Como ele pode pensar que o setor responsável por quase 30% do PIB Brasileiro não é sólido?”

Já se passaram quase 10 anos dessa pergunta e até hoje continuo sem uma certeza sobre o que responder.

Ao amigo leitor da Cumbre, esse artigo tem o objetivo de propor uma reflexão, um debate, uma troca de ideias e experiências a cerca de dois conceitos que parecem muito similares, mas guardam grandes diferenças. Força e Solidez.

Segundo o dicionário Michaelis (versão On-line) algumas definições de força são as seguintes:

1-Qualidade do que é intenso; intensidade

2-Capacidade de impressionar; expressividade, exuberância, vigor

3- A parte mais numerosa ou mais importante de um todo

Com bastante pragmatismo não dá para negar que o Agro é o setor mais forte da nossa economia.

Segundo a CNA o Agro representa 27% do PIB (Produto Interno Bruto) nacional, o VBP (Valor Bruto da Produção) aumenta de 7% a 9% por ano.

O setor emprega quase 1/3 da população de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD).

Só temos uma balança comercial superavitária por conta do Agro que é responsável por quase 50% das exportações.

A produtividade dentro da porteira cresce a cada ano e estamos entre os 3 maiores produtores e exportadores de todas as commodities agrícolas. (Chamo sua atenção aqui para esse último termo usado, “commodities agrícolas”, isso vai ser importante mais a frente nesse artigo).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Se olharmos para a definição do dicionário e para esses dados, podemos falar sem nenhum receio que sim, o Agro é forte, o Agro é intenso, o Agro tem capacidade de impressionar, tem expressividade, exuberância e é a parte mais importante de um todo.

Agora, vamos olhar a definição de sólido segundo o mesmo dicionário.

  • Que resiste a quaisquer forças externas, como atrito, choque, peso, pressão, etc
  • Que não se altera ou afeta com facilidade
  • Que não está sujeito a falhar; seguro

Tenho certeza de que você leitor está começando a perceber o dilema, principalmente nesse início de 2024 ainda impactado pela situação de mercado que ocorreu em 2023.

Analisando a essência da atividade de um produtor rural, não dá para negar que é uma atividade de risco. Um produtor rural pega um dinheiro que nem sempre ele tem, enterra esse dinheiro, fica exposto a “quaisquer forças externas, como atrito, choque, peso, pressão”, cuida do que nasceu daquele dinheiro enterrado por 6 meses, colhe e vende “commodities agrícolas”.

Dos 3 principais fatores que podem propiciar um bom ano para um produtor: Custos, Produtividade e Preço de Venda o produtor só pode controlar um fator e meio.

Sem dúvida pode controlar os custos, pode mitigar, mas não controlar problemas de produtividade e não há o que fazer sobre preços de commodities.

Voltando para a definição do dicionário, o cenário se altera, é afetado com facilidade e está sujeito a falhar.

O que poderíamos fazer para além da força também aumentarmos a solidez do nosso mercado?

Na minha visão, nosso mercado deveria olhar com mais atenção para a capacidade de transformar commodities em produtos com maior valor agregado, minimizando assim a volatilidade inerente aos preços internacionais e reduzindo a vulnerabilidade e a possibilidade de ser afetado com facilidade.

Temos como ótimos exemplos no Agro as Cooperativas AgroIndustriais que já trilham esse caminho e não por coincidência são consideradas empresas super sólidas.

Confira também estes outros artigos que podem lhe ajudar bastante:

Como será o futuro da distribuição de insumos agrícolas

Marketing no agronegócio estratégias para potencializar vendas e resultados

A lógica fica fácil de entender, a partir do momento que uma empresa tem capacidade de transformar milho em um produto acabado, se o preço do milho cai a empresa tem menor custo e maior lucro no produto acabado, se o preço do milho sobe a empresa vende o produto in natura realizando seu lucro.

Pensar em uma Agro mais sólido e não somente em um Agro forte, na minha opinião, deveria ser tarefa para todos nós que estamos nesse mercado. O que você acha?

P.S: Agora uma coisa que ninguém tem dúvida é como o Agro é resiliente… de tempos em tempos nós tomamos um tombo, mas sempre nos levantamos…

Escrito por: Ivan Moreno

Ivan é CEO da Orbia, um dos maiores marketplaces do agronegócio, possui mais de 27 anos de experiência no setor, formação em TI e professor associado da Cumbre.

Gostou do conteúdo? Compartilhe

Recomendados para você





Receba gratuitamente o melhor conteúdo de negócios e carreira do agro!